"Nada está adquirido, tudo está a andar para trás muito depressa"
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Discurso Directo
> Discurso Indirecto
*
Manuel Alegre recorda Sophia na Grécia:
"Dyonisos"
08-05-2019 Manuel Alegre, artigo publicado no JL,nº 1268

Partilhámos juntos muitos momentos, Natais, passagens de ano, aniversários, doenças, almoços, jantares, banhos de mar, leituras, telefonemas a meio da noite para um desabafo ou um poema. Mas hoje, ao abrir o volume de “Histórias da Terra e do Mar", deparei com a dedicatória de Sophia: “Para a Mafalda e o Manuel com saudades dos jantares no DYONISOS, em frente da Acrópole e das danças da Dora Stratos na noite de Junho”.

Então revivi esse encontro na Grécia, sobretudo os jantares no DYONISOS contemplando a Acrópole, bebendo retsina, o vinho branco de que gostávamos, talvez por ser grego, talvez pelo sítio, talvez por estarmos sentados em frente da Acrópole, no coração de Atenas.

Todas as noites lá fomos. E todos esses jantares foram mágicos.

Sophia queria que a Mafalda e eu fossemos a Delfos. Eu resisti, porque nunca gostei de excursões e não havia outra maneira senão inscrevermo-nos numa. Sophia quase se zangou comigo. Conspirou com a Mafalda e, quando dei por mim, já estava dentro do autocarro cheio de turistas alemães e japoneses. Creio que Sophia esperava que eu sentisse a presença do sagrado ou ouvisse a água que fala pela voz da Sibila, e, quem sabe, podia até ter uma visão de Apolo. Visitámos aquele lugar onde os deuses deviam encontrar-se connosco. Ainda consegui perceber a estranha conjugação do lado solar com o sombrio a que Sophia era tão sensível. Mas os disparos fotográficos de japoneses e alemães afugentaram Apolo e não nos deixaram ouvir a Fonte de Castália.

De regresso a Atenas voltámos ao DYONISOS. Fiz uma diatribe contra os turistas que profanam os templos sagrados. Acalmei bebendo retsina. Olhámos de novo a Acrópole. Depois Sophia começou a falar de Delfos. E só então eu consegui ouvir “a água que fala”. Não porque a Sibila estivesse na voz de Sophia mas porque era bom estarmos juntos, naquela mesa que, de certo modo, durante várias noites, também foi um lugar sagrado.