Descobrir não é criar. Chegámos sempre ao que, antes de nós, já lá estava. Mas em cada chegada aconteceu uma dupla descoberta: a dos outros por nós e a de nós próprios pelos outros.
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Discurso Directo
> Discurso Indirecto
*
Manuel Alegre: “Devemos a Camões a fundação da língua”
22-05-2016

Camões foi o lugar de encontro com Camilo Pessanha, Herberto Helder, Mário Cesariny e tantos outros, no programa “A Ronda da Noite”, de Luís Caetano, na antena 2, emitido em 18 de maio. "Devemos a Camões a fundação da língua", lembrou Manuel Alegre, cujo livro “Vinte Poemas para Camões” acaba de ser reeditado pelas Publicações Dom Quixote e estará disponível nas livrarias já esta semana.

O livro recupera o poema "E era uma pátria", dedicado a Camões, editado pela primeira vez na segunda edição de "O Canto e as Armas", depois retirado das reedições da obra poética de Manuel Alegre e agora incluído a encerrar a nova edição de "Vinte poemas para Camões".

Oiça a entrevista, onde Manuel Alegre lê textos do seu último livro "Uma outra memória" e também o poema "E era uma pátria", dedicado a Camões, AQUI