O único caminho para o futuro de uma Democracia socialmente estável é manter e reforçar a convergência das esquerdas
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Discurso Directo
> Discurso Indirecto
As coincidências da vida
02-04-2016

Na última Sexta-Feira Santa, dei uma entrevista à Sábado, a pretexto do meu novo livro “Uma outra memória”. Mas com o que não contava era com o facto de o entrevistador, Tiago Salazar, ser casado com Cristina Branco, a fadista que termina os seus espectáculos com "O Meu Amor é Marinheiro", um poema que escrevi na cadeia, que foi incluído em Praça da Canção com o título "Trova do Amor Lusíada" e que Alain Oulman musicou para Amália Rodrigues. Também Maria Betânia viria a cantar mais tarde o mesmo poema.
Manuel Alegre
Podem ouvir as três versões em baixo.

Áudio
"O meu amor é marinheiro" cantado por Cristina Branco
"O meu amor é marinheiro" cantado por Amália Rodrigues
"O meu amor é marinheiro" cantado por Maria Betânia