Manuel Alegre e o Brasil: "Em momentos de escolhas decisivas não se pode deixar de tomar partido."
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Discurso Directo
> Discurso Indirecto
2 / 2
1 2
*
Manuel Alegre à Visão:
28-04-2012

“A função da poesia é libertar a linguagem”, disse Manuel Alegre em entrevista à Visão, conduzida por Pedro Dias de Almeida, a propósito do seu novo livro “Nada está escrito”, que, confessa o poeta, pode ser lido como um “manifesto poético”, num tempo em que “a indigência está por todo o lado” e em que “a economia e as finanças envolveram os discursos, com uma contaminação, degradação e pobreza da linguagem”. “Só se ouvem números, números…” lamenta Manuel Alegre. “A função da poesia é libertar a linguagem, desocupá-la”, adianta, acrescentando: “Às vezes apetece-me começar a dizer poemas às pessoas. «A poesia é para comer», como dizia a Natália (Correia)”. Ler mais

*
Manuel Alegre ao Jornal de Negócios:
Entrevista de Anabela Mota Ribeiro
27-04-2012

"Portugal, país de poetas" é uma frase feita. Nem por isso falsa. Para que serve a poesia quando falta o pão? Manuel Alegre é um poeta e um político que se candidatou duas vezes à presidência da República.
Além de tribuno e resistente, de voz tonitruante. Toda a gente se lembra da primeira candidatura, em 2005, quando conquistou cerca de um milhão de votos.
É um poeta que olha para um país em fanicos e que escreve coisas assim: "Irmãos meus que passais um mau bocado/ e não tendes sequer a fantasia/ de sonhar outro tempo e outro lado".
É um poeta e um político com quem é possível falar de Heitor, o mais comovente dos heróis da literatura, e duas linhas abaixo da geração a que pertencem Sócrates e Passos Coelho. Das fúrias e revoltas que o fizeram ser político. Do tempo em que não sabia se voltava, da prisão, do exílio, de fora.
Viveu o tempo das grandes utopias. Tem 75 anos e acaba de lançar um novo livro de poesia, "Nada está Escrito". E então, falamos de poesia? Sim. E de política? O tempo todo. E do que mudou desde o tempo em que ele acreditava que era possível viver o paraíso na Terra.
Em casa tem muitos livros. E marcas de uma vida em que o sonho era a intervenção, e não o enriquecimento. Ler mais

*
Entrevista de Manuel Alegre à Antena 1
17-04-2012

"É preciso restituir à liguagem o sentido primordial da palavra" afirmou Manuel Alegre em entrevista à Antena 1, em que contestou a hegemonia cultural do conformismo à cultura do número e ao poder do dinheiro e reivindicou a necessidade da poesia, porque "o que fica, os poetas o fundam".
Oiça a entevista, conduzida por Susana Barros, AQUI Ler mais

*
Entrevista de Isabel Coutinho
02-04-2010

“Mesmo depois de crescido, o miúdo que pregava pregos numa tábua está convencido de que a poesia é um processo mágico”, conclui a entrevistadora Isabel Coutinho no final da entrevista com Manuel Alegre publicada na revista Ípsilon. Uma entrevista em que Manuel Alegre diz do seu mais recente livro que se trata “de uma escrita que puxa pela memória”, “uma escrita sobre o processo que leva à escrita, sobre os muitos ritmos do mundo que fazem parte do meu ritmo de escrita, na poesia e na prosa”.
Leia a entrevista no final da notícia. Ler mais

*
Manuel Alegre entrevistado pela revista LER:
Entrevista de Carlos Vaz Marques
01-04-2010

Tema de capa da revista Ler de Abril, a entrevista de Manuel Alegre a propósito do novo livro O Miúdo Que Pregava Pregos Numa Tábua . Segundo o entrevistador, Carlos Vaz Marques, "Manuel Alegre é um homem de ar grave, com uma seriedade que parece avessa ao riso", que assim descreve o poeta: "Na voz, no olhar, nas pausas com que fala há uma gravidade que é uma espécie de imagem de marca. (...) Uma imagem que, em mais de duas horas de conversa, desaparecerá no momento em que se fala de temas que o divertem." Ler mais

*
Entrevista a Manuel Alegre
Entrevista conduzida por João Céu e Silva
27-03-2010

Uma entrevista de vida que tem como pontos de referência as memórias coleccionadas no livro que acaba de lançar, O Miúdo que Pregava Pregos numa Tábua. Desde a mais antiga - que dá o título ao livro -, passando por um encontro surreal com Cohn Bendit dias antes dos acontecimentos de Maio de 1968 em Paris, até à emoção impossível de conter junto à campa de um soldado numa visita recente a Nambuangongo. E uma certeza em tom de desafio: "Sou, dos candidatos às presidenciais, o único que entrou em combate".
Veja a entrevista no final da notícia Ler mais

*
Manuel Alegre na revista Actual do jornal Expresso
Entrevista conduzida por José Mário Silva
27-03-2010
No seu novo livro, Manuel Alegre relembra o passado. À procura das origens da escrita e do "sopro que veio de lá de dentro" e que a anima.

Junto a uma janela quase primaveril, na sua casa de Lisboa, Manuel Alegre falou sobre "O Miúdo que Pregava Pregos numa Tábua" (Dom Quixote), a sua obra mais recente. "É uma entrevista literária, não política", avisou logo. Mas a dinâmica da conversa, caótica como a memória, haveria de nos levar até ao limiar das presidenciais. Ler mais

*
Entrevista de Francisca Cunha Rêgo
24-03-2010

O Miúdo Que Pregava Pregos Numa Tábua , numa edição da D. Quixote, é a mais recente novela de Manuel Alegre. Chega às livrarias sexta-feira, 26. O JL falou com o autor sobre os pregos desta história. Ler mais

2 / 2
1 2