"Sobretudo nas horas em que tudo / de repente se esvazia / e pesa mais que tudo esse vazio / ... / é precisa (mais que tudo) a poesia."
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Notícias
Manuel Alegre sobre comunicação ao país de Cavaco Silva:
Eleições em 2014 são uma "manobra de diversão"
10-07-2013 com Lusa

Manuel Alegre afirmou hoje que a proposta de eleições para 2014 é uma “manobra de diversão” do Presidente da República para não demitir o Governo e convocar eleições antecipadas. Para Manuel Alegre, o que estava em causa neste momento era saber se Cavaco Silva iria ou não convocar eleições antecipadas “perante a crise que pôs em causa o regular funcionamento das instituições”. A possibilidade de haver eleições em 2014 “é uma manobra, uma proposta de diversão, uma espécie de fuga ao exercício dos poderes constitucionais que o Presidente podia ter exercido e não quis exercer”, considerou Alegre.

Cavaco Silva “não fez o que deveria fazer, de acordo com os seus poderes constitucionais”, ou seja, demitir o governo e convocar eleições antecipadas, devido à crise política, disse ainda Manuel Alegre, que acusou Cavaco de preferir escudar-se “no programa de ajustamento e na confiança dos mercados.

Quanto ao compromisso de salvação nacional entre PSD, PS e CDS que Cavaco Silva propôs, Manuel Alegre salientou que o que estava em causa era o compromisso que o Presidente da República assumiu com a coligação no Governo. “Esse compromisso neste momento não serve o interesse nacional. Pode servir o interesse do PSD e do CDS, mas não serve o interesse dos portugueses”, declarou, lamentando que Cavaco Silva tenha falado das responsabilidades dos partidos “em abstracto”, em vez de imputá-la ao PSD e ao CDS “pelo triste espectáculo que ofereceram ao país”.

O Presidente da República propôs hoje, numa comunicação ao país, um "compromisso de salvação nacional" entre PSD, PS e CDS que permita cumprir o programa de ajuda externa e que esse acordo preveja eleições antecipadas a partir de junho de 2014. Cavaco Silva considerou também “extremamente negativo para o interesse nacional" a realização imediata de eleições legislativas antecipadas.