(...) ainda é Lisboa de Pessoa alegre e triste / e em cada rua deserta / ainda resiste.
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Notícias
*
Manuel Alegre entrevistado na SIC Notícias
"PR deve saber interpretar as angústias dos portugueses"
20-11-2011 com Lusa

O Presidente da República, "sem fazer oposição ao Governo e numa situação tão difícil", deve expressar a sua opinião e deve saber interpretar as angústias dos portugueses, defende Manuel Alegre. Numa entrevista transmitida no sábado pela SIC Notícias, Manuel Alegre, ex-candidato presidencial, disse que "o país precisa de um tubo de escape" e que o papel do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, é saber "interpretar as angústias das pessoas".

"Impressiona-me um Portugal um pouco depressivo, desencantado, desiludido", opinou Manuel Alegre, acusando o primeiro-ministro de ter feito do empobrecimento dos portugueses "uma estratégia política". "Se tivesse dito isso antes não tinha ganho as eleições", alertou.
Perante os tempos de crise e a governação de Pedro Passos Coelho, Manuel Alegre considerou que a grande prova para Cavaco Silva vai ser a defesa da Constituição. "Jurou defender esta Constituição, não vai haver uma revisão que ponha em causa os princípios que ali estão. Resta ver o que fará perante uma atitude deliberada Governo de desmantelar o Serviço Nacional de Saúde", enumerou o socialista.

"Ele tem que vetar, não pode fazer outra coisa", sublinhou Manuel Alegre, considerando "mais complicado" ter a mesma atitude no que toca ao Orçamento do Estado. "Ele tem expresso a sua opinião. É importante que o Presidente da República, sem fazer oposição ao Governo, numa situação tão difícil como esta, expresse a sua opinião", disse.

Sobre a ação do Partido Socialista, liderado por António José Seguro, Manuel Alegre considerou que os portugueses "mais frágeis da sociedade, os empresários que estão a cortar o crédito", e que votam no partido, "precisam de proteção de quem os representa". "E isso implica uma capacidade de rutura, não apenas de bom comportamento", alertou.