"O funcionário que fez o meu BI quando regressei, não me perguntou a profissão, escreveu Poeta. Estou-lhe grato."
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Notícias
Manuel Alegre em Baião
Manuel Alegre em Baião
Visita à Casa de Tormes
Visita à Casa de Tormes
Manuel Alegre acolhido por multidão em Baião
16-01-2011 http://manuelalegre2011.pt/

Depois da calorosa recepção da manhã na praia de Angeiras, em Matosinhos, de tarde foi a vez de Baião mostrar o seu apoio a Manuel Alegre com centenas de pessoas que se juntaram no largo da Câmara para acolher com entusiasmo o candidato. Em mais uma festa, ao som dos bombos, acórdeons e palavras de encorajamento, o candidato subiu a rua até um restaurante da terra onde se improvisou um convívio-comício. Mais tarde, o candidato considerou que o ainda Presidente está a demonstrar “algum nervosismo e alguma perturbação” ao afirmar que no Domingo os eleitores irão responder à campanha de “calúnias” e “insinuações” que diz ter sido montada contra si.

Na sua intervenção, perante as centenas de pessoas que o acolheram em Baião, Manuel Alegre alertou para os riscos de uma “mudança de democracia política” caso o candidato da direita vença as eleições, garantindo que, quando for Presidente, será “um homem de tolerância” que respeitará “a diferença, a liberdade e as liberdades de que a liberdade é feita”. Recordando as cargas policiais contra os trabalhadores, os estudantes e as mangueiradas de água de polícias contra polícias que ocorreram nos tempos em que Cavaco Silva era primeiro-ministro, Manuel Alegre advertiu que é “muito fácil resvalar para certas formas de autoritarismo, sobretudo num país que tem também essa tradição”.

“Se for eleito Presidente saberei ser Presidente de todos os portugueses e serei – e sou – um homem de tolerância. E a tolerância é um valor muito importante num país como o nosso e num país com algumas tradições que não são boas”, afirmou o candidato, deixando um compromisso: “Todos estes valores fazem parte do património da esquerda e do património da minha vida. Eu respondo por isso, eu dou essa garantia”, acrescentou.

Antes do candidato, o presidente da Câmara do Baião, José Luis Carneiro lembrou que declarou o seu apoio a Manuel Alegre desde e a primeira hora em que este que manifestou a sua disponibilidade para se candidatar à presidência da República, há um ano atrás, a 15 de Janeiro em Portimão. O autarca foi muito aplaudido quando criticou Cavaco Silva por ter ficado em silêncio perante a tentativa do poder judicial de “amesquinhar” o poder político.

Visita à Casa de Tormes de Eça de Queiroz
Em Baião, Manuel Alegre visitou, “finalmente”, a “casa de Tormes”, designação literária que Eça de Queirós deu ao lugar mítico onde se situa a casa e quinta da família da sua mulher e onde decorre a acção do seu romance "A Cidade e as Serras", transformada numa fundação com o nome do escritor. Antes, o candidato passara por Penafiel, onde tinha mais uma multidão de populares à sua espera para o cumprimentar e lhe manifestar o seu apoio.

Mais tarde, questionado pelos jornalistas sobre as declarações de Cavaco Silva, segundo o qual nas eleições de domingo os portugueses “irão dar a resposta” à “campanha de calúnias, de mentiras, de insinuações” que diz ter sido “montada” contra si, Manuel Alegre considerou que o ainda Presidente está a demonstrar “algum nervosismo e alguma perturbação” nos últimos dias. Manuel Alegre recordou que foi o recandidato a Presidente da República que trouxe para a campanha palavras como “louco”, que chamou a outro candidato, e “medíocres, referindo-se aqueles eleitores que ou não estão na sua candidatura ou que não votem”.

Manuel Alegre disse ainda que há umas declarações de Cavaco Silva “um pouco enigmáticas sobre os cortes salariais”. “Não se percebeu se o actual Presidente quer alargar os cortes salariais também ao sector privado. Um dos seus principais conselheiros, Vítor Bento, já falou de cortes de 20 por cento em todos os salários”, afirmou, considerando que “do Presidente da República esperam-se palavras não que deprimam os portugueses mas palavras de confiança, esperança e de levantar o ânimo”.