"O funcionário que fez o meu BI quando regressei, não me perguntou a profissão, escreveu Poeta. Estou-lhe grato."
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Notícias
*
Manuel Alegre em Portalegre:
É preciso definir posições sobre as questões essenciais
13-01-2011 http://manuelalegre2011.pt

Numa jornada de campanha pelo Alto Alentejo, Manuel Alegre contou com a presença do Comendador Rui Nabeiro, a quem elogiou a humildade e a consciência social. “É uma referência, um caso único no nosso País”, afirmou o candidato num almoço em Portalegre. Alegre elencou os compromissos que devem ser assumidos pelos candidatos, desafiando-os a definir posições sobre questões essenciais: "Sim ou não à garantia do Serviço Nacional de Saúde universal e gratuito? Eu digo sim. Sim ou não à garantia da escola pública para todos? Eu digo sim. Sim ou não à garantia da segurança social pública? Eu digo sim. Sim ou não à manutenção da Constituição da República com os direitos sociais e políticos que nela estão consagrados? Eu digo sim."

Já Rui Nabeiro, na sua intervenção, garantiu convicto: “estou aqui para dizer que sou do PS e apoio Manuel Alegre”, sublinhando que “é num momento em que o País atravessa dificuldades que devemos todos estar juntos”. Depois de apelar à mobilização de todos aqueles que querem um “Presidente da República que seja um árbitro eficaz, um árbitro com atitude”, o comendador garantiu que, mesmo aos oitenta anos, continuará “a trabalhar e a lutar para que toda a gente possa também trabalhar e ter uma vida capaz”.

Manuel Alegre iniciou a sua jornada pelo Alto Alentejo com uma recepção na Câmara de Rio Maior, seguida de uma visita à fábrica de Rui Nabeiro, onde destacou o contributo do empresário para a sua região e para o país. “É uma referência, um caso único no nosso país”, afirmou o candidato, acrescentando que “esta é uma empresa onde se vê uma grande inovação tecnológica mas onde há uma grande responsabilidade social, uma empresa privada que funciona quase como um serviço público, gerida por um homem que não esqueceu as suas raízes, que nasceu pobre, de uma família humilde."