(...) ainda é Lisboa de Pessoa alegre e triste / e em cada rua deserta / ainda resiste.
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Notícias
*
Manuel Alegre e sua mulher, Mafalda Durão
Manuel Alegre e sua mulher, Mafalda Durão
Manuel Alegre cumprimenta António Carlos dos Santos, mandatário financeiro
Manuel Alegre cumprimenta António Carlos dos Santos, mandatário financeiro
Manuel Alegre na apresentação do Contrato Presidencial
"Esta é uma hora de unir, de somar e de mobilizar"
19-12-2010

"Não sou só eu que me candidato. Somos todos nós, os que acreditamos nos valores da liberdade, da justiça social e da solidariedade; todos nós, os que queremos uma democracia melhor; todos nós, os que dentro de partidos ou fora deles queremos uma nova esperança para Portugal. Dirijo-me às mulheres, aos homens e aos jovens do meu país, aos independentes e membros dos movimentos cívicos que estão na génese da minha candidatura, dirijo-me aos meus camaradas do Partido Socialista, dirijo-me aos companheiros do Bloco de Esquerda e da Renovação Comunista, dirijo-me a todos os que se reclamam da Doutrina Social da Igreja e a todos os portugueses e portuguesas que estão descontentes e querem dar a volta à política para construir uma sociedade mais justa e mais humanista: esta é uma hora de unir,de somar e de mobilizar."
Veja o Contrato Presidencial AQUI

Uma nova esperança para Portugal

“Uma nova esperança para Portugal” é o título do Contrato Presidencial de Manuel Alegre, que se estrutura em doze pontos: nos dois primeiros o candidato insiste na necessidade “de um novo fôlego” para a República Portuguesa e para a construção europeia; no terceiro e no quarto explica o que cabe ao Presidente dizer e o que está em causa nesta eleição. A partir daí, nos pontos 5, 6 e 7, Manuel Alegre desenvolve a sua interpretação dos poderes do Presidente da República e a sua visão quer da Europa, cuja mudança defende que “pode começar aqui”, quer de Portugal, como “Pátria de todos e para todos”. Nos pontos 8, 9 e 10, o candidato apresenta os seus compromissos concretos: pelo Estado social, em defesa de “outra economia, outra estratégia, outro paradigma” e também do território e da cultura. O Contrato termina, nos últimos dois pontos, com um desafio aos jovens e com um apelo a todos os cidadãos empenhados numa “nova esperança para Portugal”.