"Na televisão, os comentadores de futebol substituíram grandes figuras da literatura portuguesa"
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Notícias
Manuel Alegre na Feira dos Santos em Mangualde
Manuel Alegre na Feira dos Santos em Mangualde
*
*
Manuel Alegre em Mangualde:
"Este combate não é só meu, é de todos"
06-11-2010 com Lusa

O candidato à Presidência da República Manuel Alegre exortou hoje os dirigentes do PS a envolverem-se na campanha, por se tratar de “um combate muito importante” para a democracia do país. “Vejo que os socialistas militantes, os socialistas da base, os autarcas, por todo o lado onde tenho estado estão comigo e têm respondido à chamada”, disse, satisfeito, ao intervir numa sessão pública na câmara de Mangualde.

No entanto, fez questão de “deixar um alerta a outros para que se mobilizem”, considerando que “alguns dirigentes têm que falar, têm que tomar parte neste combate”. “Não é a sucessão dentro do partido socialista que neste momento está em causa. O que está em causa é a democracia e é o futuro da democracia”, realçou.

Manuel Alegre disse que pode travar este combate “apoiado por muitas cidadãs e cidadãos e pelos militantes de base do PS”, mas frisou que “a direcção do partido tem as suas responsabilidades”. “Há dirigentes do partido que têm as suas responsabilidades, têm que falar, têm que se comprometer, porque este combate não é só meu, não é só dos militantes, é de todos”, acrescentou.

Em declarações aos jornalistas no final de uma visita à secular Feira dos Santos, também em Mangualde, Manuel Alegre esclareceu que não se referiu à “máquina” socialista, mas às pessoas.

Manuel Alegre, que considera estar em melhores condições do que nas últimas eleições, uma vez que tem o apoio quer do seu partido, o PS, quer do BE, reiterou que “a obrigação de alguns dirigentes do PS é envolverem-se nesta campanha, porque isto é um combate muito importante pelo futuro desta democracia. Do PS e de todos, de toda a esquerda e não só, de muita gente que quer uma democracia com direitos sociais, com serviços públicos e um projecto humanista e solidário para Portugal”, acrescentou.