"O funcionário que fez o meu BI quando regressei, não me perguntou a profissão, escreveu Poeta. Estou-lhe grato."
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Notícias
*
*
Manuel Alegre emocionado com mineiros de Aljustrel:
“Pensamos em conjunto nos mineiros que estão no Chile”
08-09-2010

“Foi com muita emoção que estive aqui e sobretudo pensando em conjunto com eles naqueles que, no Chile, estão em piores condições”, disse Manuel Alegre esta tarde, no final da reunião com os representantes do Sindicato e da Comissão de Trabalhadores das minas de Aljustrel.

“Mais investimento na formação, na segurança preventiva e noutras situações, nomeadamente precariedade, recibos verdes e horários de trabalho sobrecarregados” resumiu Manuel Alegre, sublinhando que “são homens que trabalham 10 horas por dia, é excessivo, tratando-se de um trabalho com riscos”.

A segurança no trabalho é um dos problemas com que os mineiros de Aljustrel se confrontam. “Tem havido muitos acidentes, 44 desde Janeiro”, referiu o candidato. Sabendo-se que “muitos acidentes normalmente são o preâmbulo de um acidente mais grave”, Manuel Alegre afirmou esperar “que isso seja tido em conta, até porque o Estado investiu aqui. Sabemos que têm sido feitos alguns esforços, mas é preciso mais”, alertou.

O candidato apresentou aos mineiros os princípios programáticos da sua candidatura: “É o programa democrático que está na Constituição da República. Bato-me pelos direitos, liberdades e garantias, mas também pelos direitos sociais que estão consagrados na Constituição da República e que são fundamentais - o Serviço Nacional de Saúde, o serviço público de instrução, a obrigatoriedade de ter escolas públicas, os direitos dos trabalhadores”.

Vetarei qualquer alteração ao Código de Trabalho que substitua a «justa causa» pela «razão atendível»

Lembrando que, enquanto deputado na Assembleia da Republica, votou contra a alteração do Código de Trabalho ao arrepio do seu próprio partido, Alegre deixou a garantia que, se for eleito Presidente, “qualquer alteração de algum destes direitos sociais será por mim vetada, como será vetada também qualquer alteração ao Código de Trabalho que substitua a «justa causa» pela «razão atendível», que a gente não sabe o que é, mas que no fundo é a liberalização dos despedimentos”.

Manuel Alegre reafirmou aos mineiros ser “um homem de esquerda, um democrata, republicano e socialista”, que se dirige a todos os portugueses porque a candidatura presidencial “é uma candidatura transversal”, mas com um eleitorado de preferência: “O povo que eu quero fundamentalmente que esteja comigo é o povo da esquerda, o povo dos trabalhadores. É a razão por que estou aqui.” “Sei que a situação neste momento é dura para grande parte dos portugueses", disse ainda o candidato, “temos uma situação muito difícil na Europa” com os planos de austeridade, “mas eu não digo que o país é insustentável”, concluiu.