"Há um descuido e uma ignorância muito grande para um povo antigo como o nosso"
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Notícias
Esta foto de Manuel Alegre foi tirada pela PIDE em Luanda
Esta foto de Manuel Alegre foi tirada pela PIDE em Luanda
Manuel Alegre a João XXIII, há 51 anos:
28-04-2014

Em 1963, Manuel Alegre estava na cadeia da PIDE em Luanda e pediu para ler a encíclica “Pacem in Terris”, do Papa João XXIII, que tinha acabado de sair. O pedido foi-lhe recusado e Manuel Alegre escreveu então este poema para João XXIII, a quem mandou “(…) à Praça de S. Pedro / não uma prece / mas a minha canção fraterna e livre”. Recordamos hoje esse poema que pede "a humana bênção" ao "avô do século." Ler mais

*
26-04-2014

Faz hoje 40 anos que as portas de Caxias e de Peniche se abriram para libertar os presos políticos, num gesto que confirmou o sentimento de liberdade que irrompeu do 25 de Abril. Recordemos essa data ouvindo Amália cantar “Meu amor é marinheiro”, de Manuel Alegre, que anuncia essa libertação: “Hei-de passar nas cidades /como o vento nas areias/ e abrir todas as janelas /e abrir todas as cadeias”.
Oiça Amália cantar “Meu amor é marinheiro” no final da notícia. Ler mais

*
24-04-2014

“As palavras estão ocupadas, o país está de novo amordaçado, agora por um poder invisível, o dos mercados, que é totalitário. Já ninguém fala do mar, do amor, do sol, das uvas, do vinho, da poesia. A poesia volta a ser importante como uma forma de resistência, de sublevação contra a linguagem instituída do poder. A poesia tem de voltar a decifrar os sinais, a antecipar o tempo, a subverter a linguagem do cifrão, dos juros, dos ratings, que afunilou a nossa vida e pôs um muro diante de nós”.
Manuel Alegre
A partir de hoje e nos próximos dias, este sítio irá disponibilizar poemas de Manuel Alegre cantados ou ditos por alguns dos mais conhecidos intérpretes da nossa língua.
1º Dia – 24 de Abril - Oiça o poema “É preciso um país”, dito por Manuel Alegre com acompanhamento de Carlos Paredes, no final da notícia. Ler mais

Adriano de pé, à esquerda, António Portugal à guitarra e Manuel Alegre atrás
Adriano de pé, à esquerda, António Portugal à guitarra e Manuel Alegre atrás
A poesia está na rua
19-04-2014

O famoso poema “Trova do Vento que Passa”, de Manuel Alegre, poderá ser lido em ponto grande na Praça D. Pedro IV (Rossio), em Lisboa, entre os dias 21 e 28 de abril, por iniciativa da LeYa e da Câmara Municipal de Lisboa. O poema estará exposto em “mupis” espalhados pela conhecida praça lisboeta, de forma a que os milhares de transeuntes possam lê-lo enquanto passeiam. Incluída na antologia País de Abril, que a Dom Quixote acaba de lançar, “Trova do Vento que Passa” foi escrita em 1963 tendo sido musicada por António Portugal e cantada por Adriano Correia de Oliveira e Amália Rodrigues.
Se passar pelo Rossio, não deixe de a ler. Se não pode passar, ouça-a, na versão de Adriano Correia de Oliveira e António Portugal, AQUI. Ler mais

Poema de Manuel Alegre musicado e cantado por Joana Alegre
13-04-2014 Antena 1

O poema "Canção com lágrimas palavras armas", escrito quando o autor tinha 29 anos, faz parte do Canto VII do livro O Canto e as Armas, publicado em 1967, um dos mais paradigmáticos livros de poemas de Manuel Alegre. Em 2014, ano em que se comemoram 40 anos sobre o 25 de Abril e em que Manuel Alegre publicou a antologia "País de Abril", Joana Alegre dedicou ao poeta, seu pai, esta versão desse poema que ela mesma musicou e cantou. O poema abriu a entrevista de Manuel Alegre à Antena 1, no passado dia 3 de Abril.
Clique no título e oiça o poema no final da notícia Ler mais

*
09-04-2014 Pedro Cordeiro, Expresso

Poeta e político encheu o Quartel do Carmo para lançar a antologia "País de Abril", a celebrar os 40 anos da Revolução dos Cravos. O 25 de Abril "não pode ser só mais uma data no calendário". Foi por ter esta convicção que Manuel Alegre lançou, esta quarta-feira, a antologia "País de Abril" (Publicações Dom Quixote, €5), que reúne 29 poemas de alguma forma relacionados com a Revolução dos Cravos. Alguns foram escritos antes de 1974. Ler mais

A propósito de "País de Abril"
03-04-2014

“É uma toada, uma alteração da respiração, do ritmo cardíaco, por vezes do próprio andar”, responde Manuel Alegre à pergunta de Maria Leonor Nunes, em entrevista ao JL, sobre como “acontece” um poema. Entrevista a pretexto do seu último livro, “País de Abril”, já nas livrarias, onde juntou poemas, alguns dos quais escritos há mais de 40 anos, em que há versos que assombrosamente parecem anunciar o 25 de Abril. Sobre esse mistério profético o poeta responde: “Há quem fale de poesia-profecia, quem diga que os poetas são bruxos. Lorca falava disso e a Natália Correia também. Faz parte do processo mágico da poesia. Não tem outra explicação.”
Veja a entrevista “ A p(r)o(f)ética de Abril” AQUI Ler mais

*
Dia 9 de Abril no Quartel do Carmo
03-04-2014

É já no dia 9 de Abril que é lançado em Lisboa, no Quartel do Carmo, o novo livro de Manuel Alegre, "País de Abril", uma antologia de poemas "que falam de Abril antes de Abril e de Maio antes de Maio". A apresentação do livro será feita por José Carlos de Vasconcelos e terá a participação de Manuel Freire e Francisco Fanhais. Ler mais