Mário Soares: fica a coragem moral e física, o espírito de combate, a alegria da política
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
*
Entrevista de Manuel Alegre à RTP
08-01-2017 Entrevista de António José Teixeira, rtp 1 e rtp 3

“Um luto pessoal”, assim reagiu Manuel Alegre à morte de Mário Soares. Mas também um momento para contrariar as “tentações revisionistas” sobre a sua vida, que deve ser toda lembrada, com destaque para a coragem de travar três grandes combates “que todos julgavam impossíveis”: o fascismo, 1975 e a primeira eleição presidencial.
Revisitando a vida de Mário Soares, com quem teve grande cumplicidade em momentos chave, Alegre destacou o que considerou ter sido a sua "primeira grande visão”: a necessidade de criação de um “partido socialista que juntasse os socialistas e pessoas de diferentes percursos", "indispensável para ter o apoio da Internacional Socialista e dos países democráticos”, o que "modificou muito os dados da luta política em Portugal".
A segunda visão de Soares foi ter compreendido que "a conquista da democracia era inseparável da solução do problema colonial". A terceira visão foi a de que Portugal tinha de entrar para a Europa "para aguentar a democracia", por interesse nacional, por uma visão política e pragmática e não por uma visão ideológica. A última visão, já no fim da vida e face à degenerescência da Europa, foi a necessidade de convergência das esquerdas, apesar do traumatismo de 1975. Mas Soares nunca esqueceu, sublinhou Alegre, que os votos comunistas "foram indispensáveis" na sua primeira eleição presidencial, em 1986. Ler mais

Arquivo 2005-2009
Notícias
Manuel Alegre sobre Mário Soares:
28-12-2016

Manuel Alegre esteve hoje pela segunda vez no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, para visitar a família de Mário Soares, tendo declarado à saída: "Não se pode mutilar a biografia de Mário Soares nem adaptá-la às conveniências e foram os seus combates, o seu espírito de resistência - foi um grande resistente à ditadura - que lhe deram força e o estatuto para ele depois liderar o combate pela democracia, de que foi o construtor principal", enalteceu. Manuel Alegre recordou que Mário Soares "disse uma vez que a liberdade é em si mesmo um valor revolucionário, a liberdade de palavra, de pensamento, de discordar". "E disse também que não há liberdade sem igualdade nem igualdade sem liberdade. Essa é a herança dele, é a herança que todos devemos preservar", defendeu. Ler mais